Homem saltando no gráfico que está subindo: investimentos a curto prazo
investimento

É muito difícil adequar os seus investimentos às suas necessidades, objetivos e sonhos. Afinal, são muitos os tipos de aplicação, se é a curto prazo, longo prazo, os níveis de risco e rentabilidade. Por isso, antes de investir, é importante entender bem sobre o produto no qual está colocando seu dinheiro. Isso para não se arrepender depois.

Se você precisa, por exemplo, do dinheiro no curto prazo e, por falta de conhecimento (ou orientação de seu assessor de investimentos) investe em um CDB (Certificado de Depósitos Bancários) com um prazo de 3 anos sem liquidez. Então o seu dinheiro ficará, literalmente, preso até o título vencer. Não importa o que aconteça, não tem como resgatar o dinheiro de um título sem liquidez.

Alguns papéis, como debêntures, CRIs, CRAs, papeis do Tesouro Direto e até títulos emitidos por instituições financeiras, podem ser vendidos no mercado secundário. Mas vale lembrar que neste movimento você pode perder dinheiro, devido ao spread cobrado pela instituição financeira intermediadora da negociação. E também por conta do risco de liquidez, que pode diminuir o valor do papel de acordo com a demanda.

Sendo assim, para quem quer investir por curto prazo, pelo fato de que pode precisar do dinheiro a qualquer momento e, assim, não quer prendê-lo em uma aplicação sem liquidez ou que irá dar um pênalti na saída, a melhor alternativa está dentro dos fundos de investimento.

Conhecimento sobre o assunto

Existem outras boas alternativas, como CDBs de liquidez diária ou até o Tesouro Direto. Contudo, na primeira opção, a rentabilidade quase sempre não é tão atrativa. Na segunda, é importante entender muito bem sobre o produto para conseguir operar a variação do PU (Preço Unitário). Ele flutua de acordo com a curva futura de juros de forma inversamente proporcional, para não ter uma grande perda na saída. Por isso, o mais recomendado, para quem tem pouco tempo e conhecimento sobre este assunto, os fundos de investimento.

Muitos são os tipos de fundos de investimento e é importante conhecer o seu perfil de investidor para saber em qual aplicar, afinal, existem fundos muito arriscados, assim como fundos extremamente seguros e pouco voláteis.

Mas, independente do risco, que não é o foco deste artigo, você deve ficar atento ao prazo de resgate, afinal, o que você procura são aplicações de curto prazo. Para atender às suas necessidades, o fundo de investimento deve ser com resgate D+0 ou D+1, pois, assim, quando você solicitar a retirada de seus recursos, eles entrarão na sua conta e ficarão disponíveis para uso no mesmo dia (D+0) ou no dia seguinte (D+1).

Além do prazo de resgate, é importante analisar também o histórico de rentabilidade do fundo, de 24 meses ou, no mínimo, 12 meses, para ver o desempenho do gestor. Os fundos cobram uma taxa de administração pelo trabalho do gestor, então é justo que você tenha um retorno considerável, para compensar o pagamento da taxa.

Considerações finais 

Duas boas oportunidades de fundos com prazos de resgate curtos são o Modal Institucional. O qual é uma alternativa mais conservadora, com vol de 0,8 e um ótimo histórico de rentabilidade. Por outro lado, o azul quantitativo, que é um pouco mais moderado, com vol de 3 e também um retorno histórico excelente.

Fique sempre atento às oportunidades e estude bastante sobre o fundo antes de investir. Procure entender quais são os papeis que o gestor compra. Qual é a estratégia do fundo, seu histórico de rentabilidade. E, principalmente o prazo de resgate. Uma vez que seu foco é o curto prazo.