homem segurança duas plaquinhas, comprar ou vender?
Brasil

Em meio a muitas mudanças política e econômicas no Brasil, com o impeachment de Dilma Rousseff e a nova equipe do presidente Michel Temer, além de fatores externos inesperados, como a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos e o Brexit na Europa, os investidores ficaram meio perdidos, sem saber que decisão tomar. Afinal, é hora de comprar ou vender Brasil?

Muitos estão em dúvida se devem comprar ou vender, mas a notícia é boa: o Brasil nunca esteve em uma fase tão boa para investir. Vamos entender o porquê.

No ano passado e no início deste ano, estávamos com a economia do país em uma situação desesperadora, mas isso havia aberto boas portas dentro da renda fixa, por conta da alta taxa de juros, que levou os produtos a pagarem entre 16% e 18% ao ano. No entanto, ao mesmo tempo, a situação de nossa bolsa estava catastrófica. Já atualmente, após o desenrolar de nossos fatos políticos e com o fim da era petista no comando de nosso país, que foi extremamente prejudicial para nossa economia, por conta do excesso intervenção e de irresponsabilidades em todas as frentes – em especial a monetária e fiscal – a situação melhorou muito. O novo governo que assumiu e a equipe econômica muito mais ortodoxa e amiga do mercado trouxe ventos favoráveis, arrefecimento da inflação, início de queda do juros e otimismo com a bolsa.

Renda Variável

Assim, neste exato momento, estamos em uma fase na qual o mercado de renda variável está ótimo para investir, com o início de um novo ciclo de alta que pode durar anos, e com a renda fixa ainda pagando muito acima da média do mundo. Pelo fato do juros ainda estar em um patamar alto. Não é possível mais conseguir uma rentabilidade de 18% ao ano, mas consegue-se facilmente 15% na renda fixa e ainda com ótimas oportunidades na bolsa. Quem está na poupança, perdendo para a inflação, enquanto estamos na melhor fase em muitos anos para investir, está sendo muito prejudicado.

Os ciclos de queda e de alta da bolsa – conhecidos como Bear Market e Bull Market, respectivamente – normalmente são bem longos e expressivos. Então quem entrar agora na bolsa tem grandes chances de estar rindo à toa daqui alguns anos.

É importante lembrar que mesmo em um ciclo de alta, a posição em renda variável nunca pode ser muito grande. Isso por conta dos riscos que este mercado oferece em troca da possibilidade de rentabilidade maior.

Investidores com o perfil conservador devem ficar de fora desse mercado, mesmo em ciclos de Bull Market, pois não estão alinhados com o risco. Já investidores moderados podem colocar de 5% a 10% da carteira em renda variável, com o restante em renda fixa. Já os arrojados devem colocar no máximo 20% da carteira neste segmento, com o restante em títulos de renda fixa também. Uma exposição maior que essa não é indicada para ninguém, independente do perfil, por mais agressivo que seja.

Agora basta procurar um bom assessor de investimentos. Abrir conta em uma corretora e começar a investir nas oportunidades certas para o seu perfil. Não perca mais tempo.